Diário de Bordo Mudanças Recentes helionunes.art.brTagsRSS RSS

LugarEspecial

A melhor resposta que tenho para a pergunta “Você faz pintura abstrata?” é: “Crio lugares que existem, mas que só podem ser criados porque não existem”.

A resposta está relacionada ao conceito/prática do PensamentoFora de Blanchot. Eu nego o real porque quando o negamos, quando fazemos as coisas desaparecerem, revelamos a presença deste desaparecimento. Ou seja, os lugares da MinhaPintura são a presença real de sua inexistência no mundo.

Isso se reflete no modo como são elaborados. O processo de criação ocorre no tempo imediato, o que não quer dizer “casual”:

“… não está além do mundo, mas também não é o mundo: é a presença das coisas antes que o mundo o seja, a perseverança das coisas depois que o mundo desapareceu, a teimosia que resta quando tudo desaparece e o estupor do que aparece quando não há nada.” (Blanchot)

BLANCHOT, Maurice, citado por LEVY, Tatiana Salem. A experiência do Fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. [Conexões.] Rio de Janeiro, Deleume, Dumará, 2003, p.33.